Iluminação

Normalmente é o objetivo básico (senão único) do interesse dos consumidores (talvez 60% do negócio), onde a ideia é a que se criem ambientes diferentes num mesmo local, apenas combinando lâmpadas (posicionamentos, tipos, intensidades e combinações entre si) através de dimerização (controle de intensidade de iluminação) individual (cada lâmpada), obedecendo os projetos luminotécnicos (iluminação) dos arquitetos. Que por sua vez buscam ampliar os espaços, realçar cores, texturas, objetos de arte, peças decorativas, além de harmonizar e criar conforto e sofisticação aos ambientes.

Dentre outras possibilidades, ainda é possível conjugar o uso racional da energia com sensores que detectam a luz do dia, abrindo/ fechando cortinas, apagando luminárias automaticamente, desligando lâmpadas e sistemas de ar condicionado quando da ausência de pessoas nos ambientes, também quando do deslocamento intra ambientes ativando iluminação mínima, acompanhando o usuário apenas, sem ativar a iluminação total, como ocorre em ambientes sem automação. Neste sentido, a contribuição da automação racionaliza e reduz o consumo energético drasticamente e o tempo de vida útil das lâmpadas e equipamentos é aumentado sobremaneira. Seus benefícios são: conforto, bem estar, economia, sofisticação e valorização.